Notícias da UFVJM
Seg, 27 de Maio de 2019 11:41

A maioria dos alunos de graduação das universidades federais brasileiras vem de família com renda per capita de até um salário mínimo e meio, é parda ou preta, cursou o Ensino Médio em escola pública, e tem pais que não fizeram faculdade. Os cotistas, de qualquer modalidade, representam pouco menos da metade do total. Os números são de 2018 e fazem parte da 5ª Pesquisa de Perfil Socioeconômico dos Estudantes das Universidades Federais, divulgada no último dia 16 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Federais de Ensino Superior (Andifes).

Segundo o levantamento, 26,61% dos alunos têm renda de até meio salário mínimo, 26,93% de até um salário mínimo, e 16,61% de até um salário e meio, totalizando 70,2%. Em 2014, quando foi feita a última pesquisa, eles eram 66,2%.

Por estado, o Pará é onde há mais estudantes com esse perfil: 88%. Na outra ponta, está o Distrito Federal: 47,1%.

Alunos dependem de assistência

Esses estudantes são justamente o foco dos programas de assistência estudantil. Assim, mesmo sem haver bloqueio de recursos nessa área, a tendência de crescimento e a quantidade hoje insuficiente para atender a todos vêm preocupando a Andifes.

A pesquisa mostrou, por exemplo, que 30% dos alunos participavam de algum programa do tipo. Eles recebem principalmente assistência em alimentação, bolsa permanência, transporte e moradia.

Segundo César Augusto Da Ros, integrante do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis (Fonaprace), órgão vinculado à Andifes, o levantamento reforça o que já era visto nas pesquisas anteriores e mostra que é errada visão de que as universidades federais são frequentadas majoritariamente pelos mais ricos.

— (A pesquisa de 2010) Colocava por terra o que frequentemente é requentado para professar teses de defesa da cobrança de mensalidade nas universidades públicas. Posteriormente, as duas pesquisas de 2014 e 2018 são importantes porque aferem uma mudança significativa nas universidades nos últimos 15 anos — disse.

Negros são maioria nas universidades federais

Por cor, pardos e pretos somados são, pela primeira vez, mais da metade dos alunos, representando 51,2% do total. Ainda assim, isso está abaixo da média da população brasileira, em que esse índice é de 60,6%.

Ao todo, 43,3% dos estudantes são brancos, 39,2% são pardos, 12% são pretos, 2,1% são amarelos, 0,9% são indígenas, e não há informações de 2,5%. Proporcionalmente ao tamanho da população brasileira, os brancos, amarelos e pretos estão sobrerrepresentados. Já os pardos e indígenas são subrrepresentados. Em relação a 2014, aumentou a proporção de pardos, pretos e indígenas, e diminuiu a de brancos e amarelos.

Outro dado da pesquisa mostra que 60,4% dos alunos fizeram Ensino Médico exclusivamente em escola pública, frente a 60,2% em 2014. Em 2003, eram 37,5%. Se incluídos também aqueles que passaram mais tempo na rede de educação pública do que na privada, o índice sobe para 64,7% em 2018.

Maioria dos pais não tem faculdade

A maioria dos estudantes vem de famílias em que os pais fizeram no máximo o Ensino Médio: 62,7% deles têm mães que não chegaram à faculdade , e 66,2% têm pais na mesma situação. A pesquisa também apontou que os cotistas são 48,3% do total.

Por orientação sexual, 78,1% se disseram heterossexuais, 16,4% LGBT, e 0,3% assexuais. Os demais não responderam.

A língua estrangeira mais falada é o inglês, em que 32,2% disseram ter um bom domínio. Em seguida vêm o espanhol (10,9%) e francês (2,2%). Além disso, 45,1% participam de atividades ou programas acadêmicos.

Por sexo, as mulheres, que já eram maioria em 2014, aumentaram sua fatia de participação, passando de 52,4% para 54,6% do total.

Por faixa etária, voltou a aumentar a quantidade de alunos com menos de 20 anos, que estavam em queda até 2014. Os com 30 anos ou mais tiveram um leve aumento. Os estudantes entre 20 e 24 anos, que eram mais da metade há cinco anos, baixaram para 49,3%. Também houve queda na faixa entre 25 e 29 anos.

Disciplina é principal motivo do abandono de faculdade

A principal dificuldade relatada afetando o desempenho acadêmico é a falta de disciplina: 28,4% do total. Em seguida vêm dificuldades financeiras (24,7%) e carga excessiva de trabalhos estudantis (23,7%).

Os principais motivos que os fizeram pensar em abandonar o curso são dificuldades financeiras (32,7%), nível de exigência (29,7%), dificuldade de conciliar trabalho e estudo (23,6%) e problemas de saúde (21,2%).

A pesquisa, feita totalmente por meio da internet, ouviu 424.128 estudantes, ou 35% dos 1,2 milhão que fazem curso presencial de graduação em instituições federais de ensino superior. Os dados foram coletados entre fevereiro e junho de 2018.

Fonte: Andifes

Última atualização em Seg, 27 de Maio de 2019 11:42
 
Seg, 27 de Maio de 2019 09:41

A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG) e o Sistema de Bibliotecas (SisBi) da UFVJM convidam para o evento “Pesquisa de Informação Científica no Portal de Periódicos Capes".

A atividade será ministrada no dia 31 de maio, das 14h30 às 16h30, no auditório de informática da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades (FIH) e destina-se a estudantes da graduação, pós-graduação, servidores e pesquisadores em geral, com o objetivo de divulgar e oferecer treinamento para a utilização dessa ferramenta de pesquisa

As vagas são limitadas e as inscrições poderão ser feitas pelo formulário eletrônico disponível neste link, nos dias 27 e 28 de maio.

 

 

*Atualização refere-se à mudança de data

Última atualização em Seg, 27 de Maio de 2019 11:15
 
Sex, 24 de Maio de 2019 17:48

A Diretoria de Atenção à Saúde, da Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (Proace) informa que está iniciando o programa de Exames Periódicos Odontológicos para os servidores da UFVJM.

Os Exames Periódicos Odontológicos (EPOs) são realizados para avaliar as condições de saúde bucal dos servidores, auxiliando na conscientização da sua importância para a saúde geral.

Inicialmente, o programa será oferecido para os servidores de Diamantina. Em Teófilo Otoni, a previsão é de que inicie no segundo semestre de 2019, com a aquisição dos instrumentais, equipamentos e materiais odontológicos necessários para o funcionamento do consultório da Proace. Nos Campi Janaúba e Unaí, a Diretoria de Atenção à Saúde ainda está verificando formas de viabilizar a ação, uma vez que não há nesses campi o consultório e o profissional necessários.

Para conhecer o programa e esclarecer as dúvidas mais comuns, acesse a página da Proace e consulte a Cartilha Tira-Dúvidas, neste link.

Os exames iniciarão no dia 7 de junho de 2019, mas a adesão ao programa já pode ser feita pelos servidores interessados.

Siga as orientações sobre como participar e cuide de sua saúde bucal!

 
Sex, 24 de Maio de 2019 09:47

A comissão eleitoral, encerrado o processo de apuração em todas as juntas apuradoras, divulga os resultados da consulta à comunidade, em atendimento ao parágrafo único do art. 31 da Resolução do Conselho Universitário nº. 6, de 29 de março de 2019.

Acesse a ata sucinta da apuração neste link.

Última atualização em Sex, 24 de Maio de 2019 09:55
 


Página 9 de 1173

 

Campus I - Diamantina/MG
Rua da Glória, nº 187 - Centro - CEP 39100-000
Telefones: +55 (38) 3532-6024
Campus JK - Diamantina/MG
Rodovia MGT 367 - Km 583, nº 5.000
Alto da Jacuba CEP 39100-000
Telefone: +55 (38) 3532-1200 e (38) 3532-6800
Campus do Mucuri - Teófilo Otoni/MG
Rua do Cruzeiro, nº 01 - Jardim São Paulo - CEP 39803-371
Telefone: +55 (33) 3529-2700
Campus Janaúba - Janaúba/MG
Avenida Um, nº 4.050
Cidade Universitária CEP 39447-790
Telefone: +55 (38) 3532-6812 e (38) 3532-6808
Campus Unaí - Unaí/MG
Avenida Vereador João Narciso, nº 1.380
Cachoeira CEP 38610-298
Telefone: +55 (38) 3677-9950